Pré-diabetes: sintomas, principais causas e tratamentos

  • 780 Views

Pré-diabetes: sintomas, principais causas e tratamentos

Estima-se que o Brasil possui mais de 40 milhões de pré-diabéticos e que cerca de 25% deles se tornarão diabéticos em até 5 anos. No entanto, quando o quadro é descoberto precocemente, há a chance de reverter a situação e evitar que o paciente venha a desenvolver diabetes. Descubra o que é o pré-diabetes, sintomas, principais causas e tratamentos.

Pré-diabetes: o que é?

Pré-diabetes é o nome clínico dado ao estágio que antecede a diabetes tipo 2. Trata-se da fase em que os sintomas da diabetes passam a se manifestar e é quando boa parte das pessoas procura ajuda médica para identificar o quadro. Ainda que a situação seja bastante preocupante, quando há o diagnóstico precoce, é possível reverter a situação.

Para entender melhor o que é o pré-diabetes, é preciso entender do que se trata a diabetes. Essa é uma doença crônica, ou seja, ainda sem cura, mas que possui tratamento. A condição leva ao aumento dos níveis de glicose (açúcar) no sangue, já que o organismo passa a ter dificuldade em metabolizar a substância. O excesso de glicose no sangue é chamado de hiperglicemia, causando a diabetes.

Há duas causas para o desenvolvimento do quadro. A dificuldade em metabolizar a glicose pode ocorrer devido a uma produção insuficiente de insulina ou então, a ação da insulina se torna insuficiente. Há casos em que há os dois fatores. A insulina, por sua vez, é um hormônio produzido pelo pâncreas que tem justamente a função de regular os níveis de açúcar no sangue.

Desta forma, quando há algum problema relacionado à metabolização de glicose, o paciente pode desenvolver o pré-diabetes, que é um estágio intermediário entre o que é considerado saudável e a diabetes. Quando não tratado neste estágio, o paciente pode desenvolver a diabetes, um quadro que possui tratamento, mas que é irreversível.

Quais os principais sintomas?

O maior problema do pré-diabetes é que se trata de uma condição de saúde silenciosa. Isso significa que há sintomas imperceptíveis ou mesmo a ausência total de sintomas. Alguns pacientes podem notar o escurecimento da pele na região das axilas, virilha, pescoço e outras dobras. Em alguns casos, a presença de formigas no vaso sanitário também indica uma alteração nos níveis de açúcar excretados pela urina.

No entanto, por ser uma condição bastante silenciosa, é recomendável que os pacientes mais propensos a desenvolver a diabetes façam exames frequentes para medir a glicemia. O estágio é confirmado quando os exames apontam entre 100 e 125 mg/dl.

É recomendável que pacientes a partir dos 45 anos incluam o exame no check-up anual. Já os pacientes mais jovens, mas com histórico familiar de diabetes tipo 2, diabetes gestacional, obesidade, hipertensão, entre outros fatores de risco também devem fazer o exame com regularidade.

Quais as principais causas do pré-diabetes?

Assim como a própria diabetes, há alguns fatores de risco que colaboram para o surgimento do pré-diabetes. Os pacientes que se enquadrem nestes fatores devem ter atenção e realizar exames periodicamente, mesmo que sem sintomas:

  • Estilo de vida sedentário;
  • Obesidade ou facilidade para ganhar peso;
  • Alimentação hipercalórica, consumo regular de açúcar e outros alimentos não saudáveis;
  • Casos de diabetes tipo 2, hipertensão e diabetes gestacional na família.

Não há uma única causa para o aparecimento do pré-diabetes e em boa parte dos casos, o surgimento está relacionado a diversos fatores. A obesidade é um dos principais fatores de risco para o pré-diabetes, já que com o aumento dos tecidos adiposos, há uma resistência do organismo à insulina. Ou seja, mesmo com o corpo produzindo mais insulina, mais glicose fica no sangue.

Em qual momento o pré-diabetes evolui para diabetes de fato?

Quando os exames de glicose registram níveis de glicose superiores a 125 mg/dl, isso significa que o paciente deixou de ser pré-diabético e se tornou diabético. Normalmente, em torno de três ou dez anos após o diagnóstico inicial de pré-diabetes o paciente se torna diabético. O quadro pode tanto ser acelerado como reduzido, tudo depende do estilo de vida, hábitos e se o tratamento será seguido ou não.

Quando o pré-diabetes é diagnosticado de forma precoce, há chances de reverter o quadro. Para isso, é preciso que o paciente mude sua alimentação, faça exercícios físicos com frequência, além de seguir outras recomendações médicas, que em alguns casos, envolve medicação. No entanto, quando o paciente supera os índices de 125 mg/dl, o estágio é irreversível e será preciso tratar a diabetes para controlá-la.

Quais os tratamentos para o pré-diabetes?

O primeiro passo para o tratamento é o diagnóstico. É possível conferir os níveis de glicose no sangue, que se estiverem entre 100 e 125mg/dl, será confirmada a condição. O diagnóstico é feito por meio de exame de sangue, que pode ser solicitado em diferentes momentos do dia. Vale lembrar que em jejum os níveis são mais baixos e o médico pode solicitar em outro horário.

Normalmente, as principais recomendações médicas diante do diagnóstico são referentes aos hábitos alimentares. É recomendável evitar alimentos ultraprocessados, ricos em carboidratos e também ricos em açúcar. Até mesmo consumir frutas em excesso não é recomendável, por conta da frutose (açúcar da fruta).

Também é recomendado evitar o consumo da farinha branca, dando preferência aos alimentos integrais por serem ricos em fibras. Os médicos também recomendam o consumo de folhas verde-escuras, devido às suas propriedades na regulação dos níveis de glicose no sangue. Também é recomendável comer frutas e verduras em sua forma integral, com casca e bagaço, pois são ricas em fibras.

É necessário evitar gorduras, produtos lácteos integrais e substituir pelos desnatados e gorduras boas, como as presentes no azeite de oliva e abacate. Além das recomendações médicas, pode ser interessante consultar um nutricionista para elaborar uma dieta específica para o estágio do pré-diabetes.

Além da alimentação, os médicos também recomendam a prática constante de atividade física. O sedentarismo é uma das principais causas para o aumento dos níveis de glicose no sangue, enquanto a prática constante de atividade física auxilia na metabolização do açúcar, ajudando a evitar a diabetes.

Embora a diabetes seja uma doença sem cura, o estágio do pré-diabetes possui sim a possibilidade de reversão. Para isso, é preciso realizar o acompanhamento médico constantemente, cuidar da alimentação e ter bons hábitos no que diz respeito ao estilo de vida. Evitar o consumo excessivo de álcool e o tabagismo também auxiliam na recuperação.

Manter hábitos saudáveis e realizar check-ups com frequência é a melhor forma de garantir que seus níveis de glicose estão normais.

Leia também nosso post sobre os diferentes tipos de diabetes e saiba mais detalhes sobre a doença.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.