logo

O que é e como aliviar a Lombalgia?

  • 181 Views

Compreendendo o que é a Lombalgia

Incômodo para boa parte da população e um dos principais motivos para afastamento no trabalho em nosso país, a Lombalgia incomoda muitas pessoas e é uma dor que ocorre na região lombar inferior e pode ser aguda, subaguda ou até mesmo crônica.

Compreendendo o que é a Lombalgia

A Lombalgia é uma das queixas médicas mais frequentes, afetando uma boa porcentagem de adultos ao longo de suas vidas. Vamos entender cada um de seus graus:

  • Aguda

Nos casos de lombalgia aguda, as dores afetam principalmente pessoas mais jovens, possuindo como causa principal a inflamação das estruturas que compõe a região lombar, sendo causada na maioria das vezes por esforço em excesso ou pancada.

As dores são fortes, aparecendo repentinamente após uma das causas citadas e durando menos de três semanas, onde essas dores podem ser sentidas nas nádegas e parte posterior da coxa em alguns casos.

  • Subaguda

Na lombalgia subaguda, as dores também são fortes, porém possuem maior duração. Essas dores podem durar até de um a três meses, melhorando com o tempo caso não ocorram ações de sobrecarga ou repetição que afetem a região.

  • Crônica

A lombalgia crônica ocorre em maioria nos idosos, com dores que podem durar por mais de três meses. Entre as causas, não apenas o excesso de esforço, ações repetitivas ou sobrecarga na região podem influenciar, mas também o estresse e tabagismo podem ser fatores.

Má postura e o carregamento de peso em excesso de forma repetitiva causam grande tensão na área, podendo causar o estiramento de um ligamento ou músculo, resultando na dor lombar.

Existem também os traumas, provenientes de quedas bruscas, acidentes ou lesões causadas em esportes de contato que podem lesionar a região.

Nas causas de idade, ocorrendo inevitavelmente com o decorrer do tempo, pelo desgaste e uso dos discos, ossos, ligamentos e articulações fazem com que a lombalgia seja mais propensa, podendo apresentar dores e inflamações por esse fator a partir dos 30 anos.

Principais sintomas

Além da dor na região lombar inferior, principal sintoma da lombalgia que pode se intensificar e até mesmo se espalhar para outras áreas do corpo, existem outros sintomas como febre, dores noturnas, rigidez pela manhã, alteração de sensibilidade nos membros inferiores e perda de peso repentinamente.

Dependendo do grau da doença, a rotina do paciente pode ser afetada caso não seja iniciado um tratamento com profissionais de saúde, podendo causar o afastamento da rotina de trabalho.

Diagnóstico

O diagnóstico da lombalgia é feito por um médico profissional reumatologista, realizando exames físicos para identificar os principais sintomas do paciente.

Quando se possui lombalgia aguda, apenas esses exames são suficientes para que o profissional possa diagnosticar assertivamente, porém, nos casos que se observam febre, perda de peso, traumas e idade avançada do paciente, se solicitam exames mais detalhados.

Entre esses exames, o mais comum é o Raio-X, podendo ser exigido também a tomografia computadorizada, mielografia e ressonância magnética nos sintomas citados.

Esses exames são analisados de acordo com as manifestações individuais de casa paciente, já que existem situações onde podem se achar alterações estruturais que podem não haver relação com a dor.

Muitos pacientes possuem alterações na estrutura da coluna que não necessariamente causam dor ou algum outro tipo de sintoma, assim como pacientes com dor podem não ter nenhuma alteração na coluna.

Quando as dores persistem por mais de 4 a 6 semanas, os exames são solicitados para dar início a um tratamento.

Como prevenir e aliviar?

De forma inicial, após diagnosticada a lombalgia, o profissional indica a realização de atividades físicas que envolvam a realização de alongamentos e de exercícios que aumentem o reforço muscular, de forma regular para que o quadro não piore e possa até mesmo ser revertido mesmo que um pouco.

Caso não resolva, pode ser indicado o uso de medicamentos como analgésicos e relaxantes, tendo a intervenção cirúrgica como último recurso em casos mais graves. Entre as indicações para prevenir e aliviar a lombalgia, podemos citar:

  • Evitar excesso de peso na região das costas;
  • Exercícios de alongamento de forma regular, praticar exercícios aeróbicos como caminhada, bicicleta ou até mesmo hidroginástica e pilates, com uma regularidade de pelo menos três vezes na semana;
  • Faça exercícios para fortalecer os músculos do tronco;
  • Tente não ficar por longos períodos na mesma posição, seja sentado ou em pé;
  • Evite o tabagismo, já que fumar possui alta contribuição na degeneração dos discos da coluna vertebral;
  • Quando for levantar peso ou alcançar um objeto do chão, flexione os joelhos e evite fazer isso com as pernas estendidas;
  • Tente evitar momentos de estresse, pois podem piorar o quadro de dor.

Além dessas indicações, ao repousar é importante adquirir uma posição que seja confortável, mantendo a coluna alinhada.

Para dormir bem e sem dores, deve-se manter a coluna em posição neutra, alinhando a cabeça, ombros e pelve. Aplicar uma compressa quente no local antes de dormir pode amenizar as dores, lembrando sempre de dormir com travesseiros e um colchão confortável.

No momento do banho, deixar a água quente correr pela região da dor também pode ser uma forma de alívio, substituindo as compressas antes de dormir.

É importante realizar tratamento

Nos casos mais leves de lombalgia, caso o tratamento seja feito de forma mais rápida possível, as dores podem ser reduzidas e o quadro revertido, evitando que os sintomas se agravem.

Como as formas de tratamento são simples, é ideal que se você esteja afetado, adquira uma rotina de exercícios e alongamento, além de buscar atendimento médico.

Em ocasiões muito raras, é necessária a intervenção cirúrgica, onde adquirir hábitos mais saudáveis podem simplesmente resolver e ainda beneficiar você com as diversas vantagens do exercício físico, podendo até mesmo utilizar outras práticas, como a acupuntura.

Evite o automedicamento e autodiagnóstico sempre, contando com o auxílio de um profissional na área da saúde para orientar você corretamente e identificar qual o seu grau de lombalgia.

Gostou do conteúdo e deseja ler mais sobre assuntos relacionados à saúde? Então visite o nosso blog!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.